Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Série Abbadon’

Abbadon – Crônicas da Destruição:
A Guerra de Gogue Magogue. A Destruição do Exército da Aliança do Norte.

Esta peça foi dividida em pequenas partes. Para acessar as outras partes, clique abaixo:
Parte 1 – Parte 2Parte 3Parte 4Parte 5 (final)

Há muitos, muitos, muitos anos atrás, aos meus 17 anos, comecei a escrever um projeto, chamado Abbadon, que contaria minha interpretação dos estudos que fiz sobre a visão do Apocalipse da Bíblia. Era inspirado na série Deixados para Trás (Tim Lahaye, Jerry Jenkins) e no livro Este Mundo Tenebroso(Frank Peretti).
Não deu certo. Exigia muito estudo da minha parte, e pra variar, estraguei a história exagerando demais. Mas algumas coisas restaram, trechos que acho não valer a pena esquecer. Decidi então criar pequenas crônicas a respeito de trechos do Apocalipse.  É uma leitura longa, mas acho que vale a pena. Espero um dia ter bastante material a respeito, afinal este foi o projeto de toda minha adolescência. Doeu vê-lo perecer.

A batalha de Gogue Magogue está descrita no livro de Ezequiel, capítulos 38 e 39. Conta a Bíblia que O Deus do povo de Israel atrairá os exércitos do norte para atacar Israel, e livrará Sua nação com grande e esmagadora vitória.
“E a casa de Israel os enterrará durante sete meses, para purificar a terra. ” (Ezequiel 39:12)

Ao sol poente da Síria, o céu tingia-se de laranja. Ao norte, um minúsculo ponto escuro surgiu no horizonte colorido. Alguns minutos depois, outra pinta apareceu no céu. Mais outra. E outra. Em pouco tempo, via-se dezenas de pontinhos na linha do horizonte alaranjado. De cada ponto, emergiam-se outros vários, e logo eles se revelaram aviões. Centenas de caças e bombardeiros de guerra atravessavam com imponência a paisagem do Oriente Médio. Era uma gigantesca esquadra de aviões, formada por clássicos Mikoian Gurewish-29 russos, juntamente com os famosos modelos 27, 33 e 34 da Sukhoi, os melhores caças da ex-união soviética, além de esbeltos e monstruosos bombardeiros Tupolev-22 “Blinder” e Tupolev-22M “Backfire”, especialmente armados e carregados de mísseis. Aparentemente, uma aliança secreta havia sido formada entre a Rússia, o Líbano, a Síria e o Uzbequistão. O alvo deste ataque era Israel, e o objetivo, eles não revelariam. Tudo o que o mundo saberia, seria o óbvio: esta operação faria o possível para favorecer os povos muçulmanos do oriente na luta contra os israelenses.

(mais…)

Anúncios

Read Full Post »

Esta peça foi dividida em pequenas partes. Para acessar as outras partes, clique abaixo:
Parte 1 – Parte 2 – Parte 3 – Parte 4 – Parte 5 (final)

Os aviões israelenses permaneceram no ar atravessando as áridas regiões do país. Por vários minutos, nada puderam ver. Algumas palavras foram resmungadas, relatando que não havia nada a não ser nuvens no céu. Pouco tempo depois, o rádio grasnou a voz do comando na Torre:

“Torre para Águia Um”.

– Águia Um na escuta.

“O inimigo se aproxima e está muito próximo. Faça contato”.

– Negativo. Nenhum contato visual até agora…

 

Ao longe, um observador poderia ver dúzias e dúzias de aviões indo de encontro a outras dúzias. Os Jacarés Voadores acompanhavam as aeronaves russas, e os caças ziguezagueavam entre os lentos bombardeiros para acompanhar a velocidade do grupo inteiro. Voando baixo, podia-se avistar os caças dos capitães na linha de frente. Mas havia algo que nenhum humano pôde ver. Acompanhando a velocidade do caça, um ponto luminoso desceu do céu de encontro a ele. E ninguém viu o ponto se aproximar num ângulo aberto, atravessando sem dano algum a fuselagem do avião e desaparecer dentro dele. Poucos segundos depois, após o piloto daquele caça gritar algumas palavras indefinidas, o avião explodiu em pleno ar, mandando seus destroços a quilômetros de distância para todos os lados. O fogo e a fumaça descreviam um risco no céu que se precipitava para frente, e era evidente que não havia sinal algum do piloto.

 

(mais…)

Read Full Post »

Esta peça foi dividida em pequenas partes. Para acessar as outras partes, clique abaixo:
Parte 1 – Parte 2 – Parte 3 – Parte 4 – Parte 5 (final)

 

[…] numerosos vultos vermelho-rubro, negros e marrons aproximando-se dos aviões com grande velocidade. Subindo de vários pontos estratégicos do país, uma imensa frente de monstros alados preparados para a batalha batia furiosamente suas asas em direção às duas esquadras de aviões … 

[…] Então, do interior de todos os caças, emergiram de dois a três anjos por aeronave, brilhantes e com roupas brancas como neve e espadas fulgurantes, tão ardentes que se assemelhavam a fogo…

 

Na mais alta velocidade, o poderoso Mathri golpeou o cabo da espada de um guerreiro celestial, ferindo-o e jogando-a para baixo. Depois  deu um grande salto, rodopiando numa cambalhota por cima dele e caindo de pé em cima da cabine de um piloto israelense. Ao levantar com heroísmo sua espada virada para baixo com suas duas patas negras, gritou:

– Vitória às hostes do Inferno! – Porém, ao abaixar a espada com força em direção à cabeça do piloto na cabine, Leridan, um capitão do exército Inimigo, veio de encontro a seu peito e trombou com o demônio com grande força e velocidade, levando-o para cima e para trás. O piloto não foi atingido pela espada afiada do comandante. A muitos metros de distância, enquanto Mathri tentava se recompor, Leridan aproveitou a oportunidade e deu a volta em seu oponente, agarrando suas monstruosas e grandes asas pela base e puxando-o em um rastro de luz para o alto. O asqueroso demônio explodiu suas asas para os lados, abrindo-a e libertando-se do anjo atrevido. Ao equilibrar-se, batendo as asas com força, e virar-se para ele, recebeu um corte ardente em seu rosto que virou-se para o lado numa inexpressiva careta de dor. Inúmeros anjos e demônios guerreavam ao redor deles. A espada de Leridan passeava aos ares em faiscantes floreios enquanto ele a manuseava na direção do monstro. Mathri conteve cada golpe com precisão dando ágeis voltas com a sua arma. Logo, parou de se defender dos golpes e partiu para a ofensiva, desferindo rubros vultos no ar. Leridan sentia dificuldades em se defender, cruzando sua espada com a do inimigo e se esforçando para não se afastar da batalha em sua volta.

(mais…)

Read Full Post »

Esta peça foi dividida em pequenas partes. Para acessar as outras partes, clique abaixo:
Parte 1 – Parte 2 – Parte 3 – Parte 4 – Parte 5 (final)

[…] de fera em fera, o Exército Celestial esfarelava e mandava por terra os monstros sinistros contra quem combatia. Entre eles, via-se também alguns anjos inconscientes, brancos e foscos, precipitando-se para baixo. Eram os que não resistiam ou eram derrotados pelas hostes demoníacas. 

 

Pensando na atitude louca de seu companheiro de guerra, o pequeno anjo refletia enquanto lutava com seu inimigo. Quando viu alguns mísseis sendo disparados pelos caças russos, avisou a todos que estavam por perto: “míssil inimigo!’. Com forte bater de asas, rumou em direção ao veloz míssil disparado por um LEV-39, justamente o avião de Igor. Acompanhando a velocidade, embainhou sua espada na cintura e agarrou a arma que perseguia um caça israelense. Com força, puxou lentamente o míssil faiscante para baixo e para o lado. A trajetória foi desviada, desafiando as leis da física e, guiado pelo anjo, dirigiu-se a um Sukhoi-34. O avião praticamente se desintegrou em meio ao fogo.

Igor via o míssil rasgando o ar e deixando apenas um rastro de fumaça atrás de si enquanto perseguia furiosamente o israelense. Porém, arregalou seus olhos quando viu seu míssil fazer uma curva inesperada e acertar aquele SU-34 adiante. Isso era impossível! Os seus mísseis eram providos da última tecnologia disponível no mundo. Quando eles travavam uma mira, quase nada poderia impedi-lo de desviar a sua rota, guiada pelo computador do avião e pela fonte de calor da turbina do alvo. Ainda assim, o míssil descreveu uma curva de trinta a quarenta e cinco graus, desviando da rota. Isso era fisicamente impossível de ocorrer!

(mais…)

Read Full Post »

Esta peça foi dividida em pequenas partes. Esta é a última delas; Para acessar as outras partes, clique abaixo:
Parte 1 – Parte 2 – Parte 3 – Parte 4 – Parte 5 (final)

[…] enquanto tentava respirar com o cinto esmagando-lhe contra o assento do banco e a pressão forçando seus pulmões, o ex-piloto pôde contemplar a enorme aeronave de Igor Lev vir a seu encontro. Ele não estava mais consciente quando bateu violentamente no vidro do caça, e muito menos vivo quando seu corpo quebrou-se ao meio ao chocar-se na asa lateral e queimou-se quando a turbina passou por ele.

 

O vidro do avião de Igor havia se quebrado devido ao choque com aquele piloto em pleno ar, e o que restava do parabrisa coberto pelo sangue de sua vítima acidental. Ele não tinha mais controle sobre a aeronave e mal conseguia respirar. Não fosse o canopy fornecendo-lhe oxigênio puro e causando-lhe uma leve tontura, ele já estaria inconsciente sem ar. A força do vento pressionava e colava-o no banco.

Zvy chegou com grande rapidez até Igor, agitando suas asas com esforço. Seu peito ardia com o corte, e a ardência se agravava toda vez que abria suas asas. Apontando sua espada para frente, o anjo mandou pelos ares um pequeno demônio que voava em frangalhos no caminho. O avião perdia altitude e se afastava da área da batalha; Igor sabia que não poderia recuperá-lo de modo algum, e seu estado de torpor o impedia de agir.

Zvy o alcançou um acentuado arco.

– Puxe a alavanca! Ejetar! – Gritou a plenos pulmões.

(mais…)

Read Full Post »